O que acontece quando não há feedback?


A importância do feedback fica ainda mais evidente com a evolução da gestão de pessoas. Antigamente, as empresas não se preocupavam tanto com o bem-estar dos funcionários. Essa prática hoje mudou, porque os profissionais procuram, além de um trabalho que supra suas necessidades básicas, um ambiente no qual possam crescer e se desenvolver. Um dos motivos pelos quais isso é possível é graças ao feedback.


“A avaliação de desempenho é a oportunidade que os gestores têm para conversar com os colaboradores sobre seu trabalho, o que está sendo feito de maneira certa e o que não, além de determinar como a situação pode melhorar”, explica Donato Mingarelli, representante da Cezanne Brasil, empresa especialista em software de gestão de RH. A importância do feedback nem sempre é óbvia para as empresas, então ele pode não acontecer. Será que isso tem algum efeito negativo?


A verdade é que sim, há uma série de consequências que resultam da falta de feedbacks ou até da sua realização de forma errada. A primeira e mais importante é a desmotivação. Sem alguma análise de desempenho (seja positiva ou negativa), o colaborador pode ficar perdido, já que o objetivo dessa conversa é orientar a pessoa a começar, interromper ou continuar determinado comportamento.


A possibilidade de perder talentos também existe quando os funcionários não recebem feedbacks, o que está diretamente ligado à desmotivação e à queda da produtividade. “Isso demonstra o poder das avaliações e como elas podem contribuir para o crescimento ou para a separação de uma equipe”, acrescenta Donato.


Como fazer o feedback?

A lista de benefícios que a avaliação de desempenho tem é longa, por isso tantas empresas investem em diferentes métodos para fazê-la. Embora o approach seja geralmente o mesmo, as organizações podem utilizar recursos variados para executá-la. O sistema de RH é um deles, e segundo Donato, “é a maneira mais fácil e organizada de conectar gestores e colaboradores.”



As funcionalidades variam de acordo com as possibilidades do software, porém os mais completos oferecem desde modelos flexíveis de formulários até ferramentas para monitorar o andamento do processo de avaliação. Gráficos e outros dados fazem com que o acompanhamento seja simples. Donato ainda lembra que o software de RH não substitui o trabalho pessoal, apenas serve como mediador.

Fonte:http://www.rhportal.com.br/artigos-rh/o-que-acontece-quando-nao-ha-feedback/

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square